Consulta Psicoespiritual (Taroterápico)

quinta-feira, 2 de julho de 2015

terça-feira, 30 de junho de 2015

Transmissão de inteligência sYn (doação de energia) DEEKSHA





Tivemos problemas técnicos e reiniciaremos a transmissão as 16h00 online. Venha meditar conosco e receber energia no espaço sYn da Igreja Invisível.
Deva Rafik conduz  a transmissão de energia da era dourada através da Deeksha durante a primeira doação pública dos iniciados Prem Sadharma e Deva Marriche

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

domingo, 2 de novembro de 2014

A Igreja Invisível na visão da Nara (05 anos) - futura sacerdotisa -

Outro dia a Narinha, filha dos fundadores da i:i, estava quase dormindo antes de jantar, para acordá-la pedi que fizesse o desenho da Igreja Invisível para colocar no nosso portal. Ela rapidamente pediu o papel e começou a traçar esta bela ilustração:

(Filme) NASCIMENTO E INFÂNCIA - 3.1 - TESE INVISÍVEL (Guia do Nascimento a Pós M...

sábado, 1 de novembro de 2014

NASCIMENTO E INFÂNCIA - 3.1 - TESE INVISÍVEL (Guia do Nascimento a Pós Morte)

3.1         NASCIMENTO E INFÂNCIA


 Para quem está grávida é importante ler este capítulo em voz alta para que o bebê no ventre acompanhe.
Nossa lógica induz que o bebê dentro ou fora do ventre não compreende nosso discurso, ledo engano, o quanto mais dialogamos com o bebê melhor para o seu desenvolvimento.
Nossa tese trabalha com a hipótese de que o bebê mesmo sem adquirir os códigos da linguagem vigente neste mundo entende tudo o que comunicamos com ele por instinto, através de uma leitura mais sutil. Os nossos sentimentos ficam muito mais evidentes para um bebê. Não adianta fingir para um bebê, pois ele só irá captar a verdade, por exemplo: no caso de uma gravidez indesejada a mãe não consegue disfarçar isso para a criança, cada pensamento seu é captado pelo bebê dentro ou fora do ventre. Quando a mãe pensa: “Este bebe vai atrasar meu lado” a mãe tem que ter consciência de que está falando diretamente com ele. Nesta fase o pensamento tem que ser puro e voltado para o desenvolvimento e compreensão do bebê.
Durante toda a infância o indivíduo detém o poder da linguagem dos sentimentos.
Mais ou menos aos quatro anos de idade é que nossa memória começa a ser armazenada, porém grandes traumas surgem antes desta fase, em decorrência deste fato acabamos por não entender algumas coisas em nós mesmos, por isso, é sempre bom o indivíduo depois de crescido fazer esta investigação sobre como foi sua infância quando bebê.
É também de extrema importância a mãe ou o pai preencher corretamente aquele diário do bebê sem deixar lacunas. A primeira vista parece uma coisa supérflua, porém o indivíduo em todas as suas fases busca a sua própria história. E nenhuma história é mais interessante para o indivíduo do que a sua própria história.  Mesmo depois de adultos procuram a história de seus antepassados, e é ai que podemos encontrar muitas respostas sobre o comportamento atual do indivíduo e de sua família.

Como diria um velho ditado “se você acordar um dia e não tiver problemas para resolver, olhe em volta para ver se não está cercado de flores”. Pode ser o seu velório.


PIRES. D.B.M. - (Nome sannyas: Deva Rafik)



NOVA CESSÃO DE ENERGIA INVISÍVEL (Madrugada)

CESSÃO DE ENERGIA INVISÍVEL

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

GUIA DO NASCIMENTO A PÓS-MORTE

GUIA DO NASCIMENTO A PÓS-MORTE - 3. - TESE INVISÍVEL

3           GUIA DO NASCIMENTO A PÓS-MORTE


Esta tese é aberta a todos, sejam os leitores vivos ou mortos. Não se arrepiem, mas estas letras podem ser visualizadas por sujeitos que não estão no mesmo plano que o seu. É um guia completo para qualquer indivíduo do nascimento à pós-morte.
Nas fases da vida detectamos soluções para outras fases, ou ainda, detectamos o problema que se arrasta por diversas fases da vida e até mesmo além da vida. O ideal seria que buscássemos a raiz do problema ou do incômodo.
Este terceiro capítulo serve como um manual para as diversas fases da vida ou da pós-vida. A Tese em sua plenitude está aberta para consultas de toda espécie e qualquer indivíduo pode consulta-la mesmo morto, mesmo fora de um corpo físico ou nele. Ela esta sendo escrita no mundo físico considerado “real” mas também está sendo criptografada no universo paralelo ou se desejar no mundo dos espíritos.

Cada palavra escrita aqui está sendo automaticamente reproduzida para o duplo.

PIRES. D.B.M. - (Nome sannyas: Deva Rafik)

terça-feira, 21 de outubro de 2014

REPERCUSSÃO DA IGREJA INVISÍVEL NA MÍDIA - 1.2.3 - (TESE INVISÍVEL): FÉ, ARTE E CIÊNCIA NA PÓS –MODERNIDADE (CONJECTURA DA SAÚDE MENTAL PORVINDOURA)

1.2.3        Repercussão da Igreja Invisível na Mídia

No ano de dois mil e nove foi marcado pelos vinte anos da morte de Raul Seixas, na data específica preparamos um ritual em sua homenagem e para nossa surpresa a revista Época se interessou em cobrir o evento, publicando posteriormente uma matéria que segue  abaixo em forma de citação:

“Conheça a Igreja Invisível, inspirada em Raul Seixas

Busca por estados alterados de consciência é feita com chá de gengibre. Organização está envolvida na luta antimanicomial
A casa de número 854 da rua Tonelero virou um intrigante mistério para a tradicional vizinhança da Vila Ipojuca, na Lapa. Com todas as janelas da extensa fachada vedadas, as únicas pistas do que acontece ali estão sobre a porta principal: um enigmático endereço do site Igreja Invisível.com, ao lado de uma estrela de oito pontas e a chave que Raul Seixas imortalizou como o símbolo da Sociedade Alternativa. No poste de luz em frente, desenhos do músico deixam a coisa ainda mais sinistra para quem já ouviu falar de sua a ligação com rituais de magia negra.
Com nome inspirado na música “Pastor João e a Igreja Invisível”, a ii, como seus membros a chamam, também pode ser considerada um caminho alternativo. “As religiões tradicionais tentam sempre nos transformar no que a gente não é”, dá uma pista a atriz e publicitária Valéria Calado, que pertenceu ao Santo Daime antes de fundar a Igreja Invisível, em dezembro de 2007. A idéia de "terceira via" também é sugerida nos versos do hino inspirador: “Eu não sei se é o céu ou o inferno/ Qual dos dois você vai ter que encarar/ E foi para não lhe deixar no horror/ Que eu vim para lhe acalmar”, escreveu Raul Seixas. 
No último sábado (22), dia seguinte ao aniversário de 20 anos da morte do cantor, o grupo se reuniu para o que chamam de "experiência invisível", principal cerimônia da entidade. “É uma busca de estados alterados de consciência, cada pessoa experimenta o seu”, tenta explicar Valéria. É bom deixar claro que eles não usam nenhuma droga. “O único chá que vamos servir é de gengibre”, brinca a presidente da i:i. 
Apesar de não se ater muito a rituais religiosos, a i:i tem as portas abertas como às de qualquer igreja. E quem superar a desconfiança e tocar a campainha vai ver que não há nada de macabro ali dentro. Mas, desta vez, o mistério se fez mais claro para a vizinhança, que conseguia espiar parte da cerimônia na garagem da casa: “Por causa da gripe suína, vamos fazer a experiência invisível aqui fora", explica Dennis Brandão, marido de Valéria. 
Instalada quase em frente a tradicional igreja de Santo Antonio do bairro desde o início do ano, a Igreja Invisível não segue nenhum preceito religioso – apesar de seus membros se definirem como cristãos e negarem ser agnósticos. Mistura de centro cultural e espaço terapêutico, a entidade está envolvida na luta antimanicomial e comanda ações sociais para portadores de doenças mentais. “Ninguém melhor que o Maluco Beleza para ser o mentor do nosso projeto", resume Dennis.

Uma das iniciativas sociais da ii, que tem uma mini produtora de audiovisual no espaço, é o Projeto Carrano, em homenagem ao escritor Austregésilo Carrano, autor do livro Cantos dos Malditos, adaptado para o cinema no filme Bicho de Sete Cabeças, de Laís Bodanzky. “ Ele foi uma vítima do sistema manicomial e da indústria farmacêutica", protesta Dennis, que era amigo do escritor, e usou seu nome para batizar o projeto de produzir dez curtas metragens protagonizados por pessoas com algum transtorno mental. 
Travestido de Raul, era ele quem comandava a experiência invisível aquele dia – na ausência de João, o encarregado de fazer as honras de pastor, tal como na música. “Ao final de quatro encontros teremos o personagem invisível, vamos conhecer o seu semblante. Tirem suas máscaras”, orientava Dennis, mesclando as técnicas de suas aulas de teatro com cromoterapia e música, enquanto alguns membros cuidavam dos preparativos, cortando os papéis do santinho invisível e incensando o ambiente.

Encerrada a experiência, era a hora de fechar o encontro com o pocket show do grupo Exu do Raul. “Acredito que ele baixa em mim de verdade”, diz Dennis, justificando o nome da banda. Os versos da inédita música Gostei (“Por que que cristo não desceu lá do céu?/E o veneno só tem gosto de mel?”), parceria de Raul de Paulo Coelho e regravada na versão original na última semana, caíram muito bem no repertório. “É uma clara demonstração de Raul com sua religiosidade invisível, retratando perguntas que fazemos todos os dias”, filosofa . Como dizem os integrantes da ii, “Acredite vindo”.”[1]


Um de nossos convidados que participou de todas as etapas deste mesmo ritual é também uma figura ilustre e colunista cultural da emissora de televisão chamada de Rede TV. Diante do sucesso que foi o ritual em homenagem ao Raul Seixas, Diego Max reservou um espaço especial em sua coluna de arte e cultura para comentar o que significou a experiência obtida através do culto da Igreja Invisível:

“Vivam as Sociedades Alternativas! O legado nos vinte anos sem o Maluco Beleza

Neste último dia 21 de agosto se lembrou o falecimento do ícone musico-cultural brasileiro, Raúl Seixas.

Como não poderia deixar de ser em eventos, encontros e até cultos por todo país, se reverenciou a figura e legado do grande artista de toques revolucionários.

Muitos, ou até mesmo a maioria de seus saudosistas seguidores, e dentre estes aqueles que nem são contemporâneos de Raulzito em vida afirmam que hoje faz toda a falta dentro do cenário da música nacional, e com certeza assim faria muita diferença se presente estivesse com suas composições, criticas e questionamentos.

Sósias por todos os Estados do país, estes de rosto e semelhança de alma, ainda buscam nas inspirações do artista o reforço e reflexo para as suas próprias inspirações além de musicais também na vida, isso é transcender a existência, o que de fato é dádiva de poucos.

Homenageado por músicos, poetas, escritores, atores, trabalhadores e desempregados também, ainda é retrato fiel de uma força de enfrentamento não só de conceitos e paradigmas sociais e politicamente estabelecidos, mas da própria alma e conflito individual o que nos dias ambiciosos e competitivos de hoje, se nota mais intensamente no reflexo das relações da própria sociedade e mesmo amorosas.

Sem ter o objetivo de retratar a historia cronológica de Raulzito, quero apenas somar uma idéia de carência também do que este representa até hoje e, mesmo que sob alguns aspectos questionável em sua vida pessoal, como os problemas com álcool e drogas que debilitaram sua saúde e que acabaram por provocar a sua morte, é de se refletir sobre o aporte reflexivo de seu trabalho e como nós repercute até hoje diante de tamanha desfacelamento de conteúdo de muitas produções intelectuais e artísticas, por ai expostas hoje em dia.

Eu como artista, sinto a falta de Raúl e da necessidade de qualidade e criatividade também!

Sociedade alternativa:

Sabedor que sou de inúmeras comunidades culturais existentes ativas e espalhadas por todo o Brasil com conceito de Sociedade Alternativa que merecem minha consideração, o respeito e carinho do meu comentário, tomo a liberdade de citar nesta ocasião em especial uma das quais pude estar presente no seu encontro de celebração.

No sábado passado tive a satisfação de ser convidado para um evento, no qual convivi dignamente com este conceito, pró-eficiente-ativa e positiva de celebração de uma instituição alternativa, e cujo nome é Igreja Invisível.

Um retrato interessante de comunidade artística, cultural e espiritual até, que se espelha em muito nos moldes de uma filosofia do Maluco Beleza, neste caso observando-se num conceito saudável e poético.

Foi recebido com conversas e discussões sobre diversas questões, principalmente sobre a discussão da saúde mental, preconceitos, conceitos, necessidades e potencialidades, pois fazem parte do belo Projeto Carrano, nome do seu inspirador e autor do Longa-metragem “Bicho de Sete Cabeças”.

Toda esta situação de encontro foi regada (acreditem) a ausência de drogas ou álcool, e sim com muitos chás de gengibre, água, salgadinhos e...Músicas autorais e de Raul Seixas!

Acredito e muito neste tipo de Sociedade Alternativa, como disse diversas vezes, os artistas tem esta função e comprometimento de saber harmonizar intelecto e alma fundidos na arte com responsabilidade, e criar situações ricas e positivas nos seus encontros de bairros, espaços culturais e na alma que reflete a quem admira o artista, estes desbravadores e empreendedores que são os cineastas, músicos, atores, poetas, escritores, comunicadores e alquimistas!”[2]

Obtivemos através destas matérias um grande retorno de comentários e contatos a nossa organização religiosa. Sem dúvida, caso não tivéssemos seriedade em nosso trabalho espiritual, não teríamos também a mesma repercussão positiva na mídia e para o publico em geral. Após estas publicações ganhamos mais discípulos e fiéis a nossa inovadora religião chamada Invisibilidade.

PIRES. D.B.M. - (Nome sannyas: Deva Rafik)



[1]  LAVIGNE, Nathalia. Conheça a Igreja Invisível, inspirada em Raul Seixas. São Paulo, 2009. Disponível em <http://revistaepocasp.globo.com/Revista/Epoca/SP/0,,EMI89662-17276,00-CONHECA+A+IGREJA+INVISIVEL+INSPIRADA+EM+RAUL+SEIXAS.html> Acesso em 26 dez 2009.
[2]  MAX, Diego. Vivam as Sociedades Alternativas! O legado nos vinte anos sem o Maluco Beleza. São Paulo, 2009. Disponível em <http://www.redetv.com/portal/Colunista.aspx?34%2cDiego-Max> Acesso em 28 dez 2009.

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

MANIFESTO INVISÍVEL - 1.2.2 - IGREJA INVISÍVEL (TESE INVISÍVEL): FÉ, ARTE E CIÊNCIA NA PÓS –MODERNIDADE (CONJECTURA DA SAÚDE MENTAL PORVINDOURA)

1.2.2        Manifesto Invisível

Um de nossos fundadores o  Dr. Felipe Doutel, que além de médico psiquiatra é também poeta e escritor, nos presenteou com este manifesto invisível em que descarrega energeticamente através da poesia sua frustração com a realidade em que vivemos:

“IGREJA INVISÍVEL (ii)
Ñ.F.A.Q. (ou, perguntas que não se fazem freqüentemente)

A Igreja Invisível (ii) gostaria que se estabelecesse, de uma vez por todas, o catálogo das necessidades básicas do homem (e da mulher, a fortiori) pós-contemporâneos: a poesia, a putaria, o cinema, a magia? e que se providencie um enterro digno do sujeito moderno ocidental. Vai se coçar no tédio da culpa seu feladaputa! Seja salvo por si, seja salvo por nada, aliás, não fique aí parado esperando a salvação! Psique-sexy-cine ou barbárie.
Nós, da ii, não viemos para pôr os pingos nos iis, viemos, isso sim, para confundir. Como Abelardo Barbosa. É absolutamente necessário que o delírio volte a fazer parte da Teoria do Conhecimento, pela simples razão de ter sido a Razão contratada por grandes agências publicitárias e o Sexo, descaroçado de sua matriz subversiva. O pensamento delirante (o sexo [a arte perversa] virtual) remodela.
A poesia precisa voltar a fazer parte do currículo dos lactentes islamofóbicos: "O Estado mantém as pessoas ocupadas em tempo integral para que elas NÃO pensem eroticamente, poeticamente, libertariamente". Profetas do surfe, camelôs-autistas, motoristas de topique, traficantes de relíquias soviéticas, grafiteiros e pregadores do Largo da Concórdia devem fazer parte do complexo industrial-militar e serem distribuídos junto com os retratos de esposas desaparecidas ? há muitas crianças brincando em ruas distantes.
Assumimos os renegados notórios oriundos da deriva dos continentes, a falta de mapas que nos guiem até aos sebos e bocadas, nas traquitanas e bibocas, com nossos trutas e quebradas, rumo aos dédalos da cidade para se internar no auto-engano. Importa distrair do lento absolutismo da morte, ressalvar os exercícios calistênicos na Cocanha, viver de juros na Serra de Makunaima, etc., etc. O hilari-lari-ê é o único lugar em que (ainda) se pode pleitear uma revolução matricial.
Cadáveres empulhados, necessitamos das fábulas do poder e continuamos, cheios de antolhos e adiamentos, avançando na base do quebra-cangalha como se fosse possível chegar a alguma letargia. Acreditamos ver porque um voile nos cegou para o real telescopado, insuportável e mesquinho que assombra os intervalos comerciais. Defendemos os direitos da ficção xamânica e da arte débil mental como ferramentas cognitivo-emotivas muito usadas em comunidades de estetas mórbidos. Mythoplokos.
Mas é Sancho Pança o propositor: pacato cidadão comum a bordo da sua persona enlouquecida, parangolé-quixote de fazer sexo celibatário (obrigado, Gregório Delgado[1]), máscara da vontade de se atirar, aventurar-se ao mundo. VIVA O MUNDO IMAGINÁRIO!!! Caminhamos nus pelo meio do sonho em pêlo, cartazes masoquistas asseguram que nada vai cambiar e que a roda de samba acabou... Se houver um terremoto, que ele nos devolva a névoa e indique o caminho dos furacões, que nos seja permitida uma música com descontinuidades e que o ratatá das Kalashnikovs acelere o advento da Comunhão Vegetal. E, se quiserem nos matar, que seja na mesa de bar, que seja de amor.
Portanto, exigimos em caráter irrevogável:
cessação imediata dos programas de humilhação & televendas obsessivo-compulsivas
a descoberta de um antídoto africano para a servidão voluntária
a cura academicista para a covardia moral da sociedade "de bem" que seja princípio ativo de alguma planta nuclear
que os órgãos competentes publiquem nos suplementos dominicais a resolução do enigma do fetiche
uma loura defecadora de objetos de fascínio consumista, secretária trilíngüe que compreenda a dramaturgia esquizocênica
veículos mudos, migalhas & sibilas adeptas da Realpolitik, instaladas, como as câmeras de vigilância, em pontos estratégicos dos logradouros lésbicos
veículos de manipulação de massas anabatistas que propaguem a perda da fé política e a hierarquia que nos obriga a reconhecer um Eu supremo dentro das nossas mais íntimas propriocepções fenomenológicas
Seja salvo por si. Ou não.
Uma prática que define a maneira clássica é a tara fascista contida no senso de proporção, a construção de uma harmonia indutora de simetria, com resolução final em happy end dos conflitos de um determinado motivo. A arquitetura do estilo simula e recapitula, assim, a tirania da dialética: tese, antítese e síntese redentora. A conta do chá para que o vírus da escatologia se instale nos mais lúridos meandros da masturbação órfica.
Fórmulas de sucesso não se jogam fora por dá cá aquela palha... A aposta metafísico-teológico-propagandística em jogo é nada menos do que a possibilidade de conjugar o monoteísmo egípcio/caldeu/hebraico com o Logos greco-romano. Um pupurri da baba histérica canibal do homem branco. Na perspectiva civilizada, o olho universal contempla o mundo a partir do segundo degrau da escada na qual D'us (eks arkhês) está no topo ? dervixes rodopiantes, e até mesmo um cortejo de idéias claras e distintas, convergem em sua direção.
Recusamos a experiência COMPLETA do objeto artístico, ou seja, a apreciação da totalidade daquilo que é entregue à fruição dos sentidos; o que oferecemos são parcialidades, sombras, desregramento e fragmentação onde antes havia uma vivência solar, auto-centrada, integral e integradora (assim nas artes como nas ciências, vigora a perversa eficiência operatória da técnica).
Acredite vindo (thank you for coming) ii!!
O "bom" Diabo e o Deus "mau" são a defesa iluminista do novo, e pragmático, Pacto que reconfigura a antiga, a Santa (!) Aliança ? as injunções da divina providência foram privatizadas pela ética calvinista, abolindo as mediações do ego com as forças atuantes no seu destino biológico-biográfico. A burguesia inventou o veneno necessário da modernidade e agora nem o sexo anal é capaz de derrubar o das Kapital.
Um burguês nunca é suficientemente crente nem ateu, bom ou mau: o burguês é um pelintra que calcula e sabe tirar proveito das próprias e alheias contradições ? por isso sobreviveu como atitude ideológica dominante do Homo sapiens (?) sapiens (?) no quadro do capitalismo tardio. O sujeito burguês perdeu a sombra e vendeu a alma, mas, em compensação, assumiu até às últimas conseqüências a destruição como causa do devir; ele distingue e corrói tudo o que o seu desejo toca, o seu gosto massificado representa o beijo da fama e da morte para qualquer estética, filosofia ou arte. A burguesia instituiu também, paradoxal e coerentemente, a única verdadeira democracia para a criação e o pensamento; a burguesia não é uma classe social, é um programa de (auto) destruição por meio da saturação do visível.
Não existe uma verdadeira manifestação anti-burguesa, TUDO pode ser digerido por Baal Melkart, o deus-mercado ? inclusivemente a ii, porque nada se perde nas cloacas da Kultur. Mais civilização, mais corrupção, já que evoluir também implica regressão aos ritos do fogo e da febre, ao sacrifício sagrado: Nosso Senhor da Boa Guerra sofre da invencível volúpia do sangue derramado. Vocês não vão saber do lixo ocidental?
Fizemos uma opção inconclusa: NÃO CIVILIZAR O OLHAR; não é no apuro formal, no domínio de uma ou mais linguagens que acharemos guarida, não, seguimos a descoberto, na arte como na vida. Subtraímos do respeitável público a panorâmica apaziguadora, o plano-seqüência, o corte cai antes que se feche o arco do entendimento ? e nisto reside o que chamamos de cinedinâmica autista?, jamais a facilidade de uma totalização, a inteireza de um signo em sua completude arbitrária, mas a imagem fria da mercadoria-espetáculo.
Nossos aliados são os traidores, os ressentidos, aqueles que se encontram faltos de predicamento: a fratria do fundo do mar, a fauna do fim deste mundo e dos outros; o escambo impossível que circula a moeda da GENEROSIDADE. Quebrá-lo é deslindar o fluxo de trocas, interromper a teia solidária, ceder à banalidade violenta da mais-valia como se fosse a um instinto. Atravessamos dimensões de gratuidade e insignificância, cultivamos o senso de urgência em alterar estados de coisas e modos de consciência. Ou não. Há muitos invernos de espera no exílio da invisibilidade e, já que ninguém se dispõe a liquidar os anões-atores, que sejam eles os colossos do circo de pulgas... Nem cabeça de rato, nem rabo de leão, banhamos Oxalufã em água fresca/limpa, queremos um outro mundo porque não vamos ter outra vida depois.
É melhor você viver sem saber quem você é.” [2]

Percebe-se claramente neste manifesto invisível uma liberdade de expressão no jogo de palavras, pautada por uma ótica de coragem e bravura. Encontramos neste manifesto poético uma forma de se expressar sem muito se importar com o interlocutor, este raciocínio semelhante ao da “Música Autista” que é também desenvolvida por nós; uma forma clara de livrar-nos de nossos fantasmas e em contrapartida para quem o aprecia gera uma forte reflexão de seus papéis. O interessante neste caso, é que esta reflexão é gerada também para o leitor que não aprecia o manifesto.


PIRES. D.B.M. - (Nome sannyas: Deva Rafik)
FOTO: FILIPE DOUTEL




[1] Disponível em < https://www.youtube.com/watch?v=zfpxOz7XYiM > Acesso em 20 out 2014.
[2]  DOUTEL, Felipe. IGREJA INVISÍVEL (ii) Ñ.F.A.Q. (ou, perguntas que não se fazem freqüentemente). São Paulo, 2005. Disponível em <http://revistalowcultura.blogspot.com.br/> Acesso em 26 dez 2009.

domingo, 19 de outubro de 2014

RAUL SEIXAS E A IGREJA INVISÍVEL - 1.2.1 - TESE INVISÍVEL (CONJECTURA DA SAÚDE MENTAL PORVINDOURA)

1.2.1        Raul Seixas e a Igreja Invisível

Raul Seixas não gostava do título de profeta, entretanto se comportava como um, segundo o próprio compositor em todas as suas músicas podemos encontrar Jesus de forma oblíqua, nas entrelinhas de suas canções. Até que compôs a música “Pastor João e a Igreja Invisível” citada na íntegra a seguir, criticando as novas igrejas emergentes que enriqueciam e ainda enriquecem seus pastores:

“Pastor João e a Igreja Invisível

Eu não sei se é o céu ou o inferno
Qual dos dois você vai ter que encarar
E foi pra não lhe deixar no horror
Que eu vim para lhe acalmar

Se o pecado anda sempre ao seu lado
E o demônio vive a lhe tentar
Chegou a luz no fim do seu túnel, minha filha
O meu cajado vai lhe purificar

Pois eu transformo água em vinho,
Chão em céu, pau em pedra, cuspe em mel
Pra mim não existe impossível
Pastor João e a igreja invisível

Para os pobres e desesperados
E todas as almas sem lar
Vendo barato a minha nova água benta
Três prestações, qualquer um pode pagar

O sucesso da minha existência
Está ligado ao exercício da fé
Pois se ela remove montanhas
Também traz grana e um monte de mulher.

Pois eu transformo água em vinho,
Chão em céu, pau em pedra, cuspe em mel
Pra mim não existe impossível
Pastor João e a igreja invisível

Haa! Pastor João e a igreja invisível ”[1]

Desta forma nos serviu de inspiração para formarmos uma verdadeira Igreja Invisível, pura, revolucionária e inovadora.


PIRES. D.B.M. - (Nome sannyas: Deva Rafik)



[1] SEIXAS, Raul. Pastor João e a Igreja Invisível. São Paulo, 2009. Disponível em <http://jupiter-maca.musicas.mus.br/letras/75470/> Acesso em 27 dez 2009.

sábado, 18 de outubro de 2014

DISCURSOS E PENSAMENTOS SOBRE IGREJA INVISÍVEL 1.2 - TESE INVISÍVEL (CONJECTURA DA SAÚDE MENTAL PORVINDOURA)

1.2         DISCURSOS E PENSAMENTOS

Dando início a relação das citações de discursos e pensamentos sobre a Igreja Invisível e apontando diretamente a definição do que significa espírito para quem procura este significado na internet:
“Espírito
Definição: O termo hebraico rú·ahh e o grego pneú·ma, amiúde traduzidos por “espírito”, têm diversos significados. Todos referem-se àquilo que é invisível a vista  humana e que da evidência de força em movimento. Os termos hebraico e grego são usados com referência a (1) vento, (2) força ativa de vida nas criaturas terrestres, (3) força impelente que emana do coração figurado da pessoa e que a faz dizer e realizar coisas dum determinado modo, (4) declarações inspiradas que se originam duma fonte invisível, (5) pessoas espirituais e (6) força ativa de Deus, ou espírito santo”.[1]

Nota-se uma referência ao espírito como sendo invisível aos olhos humanos, assim como a alma:
“Alma
Definição: Na Bíblia, “alma” é a tradução do termo hebraico né·fesh e do grego psy·khé. O emprego bíblico mostra que alma é uma pessoa ou um animal, ou a vida que uma pessoa ou um animal usufrui. Para muitos, porém, “alma” significa a parte imaterial ou espiritual de um ser humano, que sobrevive à morte do corpo físico. Outros entendem que seja o princípio da vida. Mas, esses últimos conceitos não são ensinamentos bíblicos”.[2]

O termo grego psy-khé ou psiquê[3] usado atualmente dentro da psiquiatria com o significado de mente, relacionando as palavras psiquê e alma, encontramos a mente humana como definição, podemos então inferir que a alma pode ser a mente humana e vice versa, e que, quando perdemos nosso corpo físico não perdemos nossa alma e consequentemente a mente também não,  talvez apenas mude de plano, adquirindo assim a forma invisível de um espírito.
“Amor e Mente
Enquanto Psiquê entrega a caixa à Vênus, Eros vai a Zeus e pede que o case com Psiquê. Zeus concede esse pedido e posteriormente Psiquê é tornada imortal.
É a união do amor e da mente, pois "psiquê" significa mente em grego, como no prefixo de psicologia (psykhé, "psique, "alma", "mente" e λόγος, lógos, "palavra", "razão" ou "estudo", ou seja, o estudo da mente")”.[4]


Observamos um conceito semelhante dentro dos conceitos tradicionais da Igreja:
“É comum referir-se à igreja visível e à igreja invisível. Embora esta distinção não seja totalmente satisfatória, realmente ajuda resolver um problema que está sempre diante de nos: o contraste doloroso entre o que a igreja foi chamada para ser (o povo santo e justo de Deus) e o que muitas vezes na verdade é (uma organização humana rixenta e perversa). Através de distinguir o visível do invisível, podemos pelo menos dizer que realmente existe uma igreja santa, espiritual e dirigida por Deus, que nosso olho normalmente não vê”.[5]

Indo um pouco mais longe, agora no raciocínio da estrutura da igreja numa perspectiva transcultural encontramos:
“Se a igreja é a comunidade do povo de Deus, que diremos então das diversas instituições, organizações, denominações e estruturas arquiteturais que comumente incluímos debaixo do guarda-chuva igreja? Qual a relação dessas estruturas com a igreja como comunidade de Deus?”.[6]

Respondendo estas questões levantadas na citação acima, principalmente a primeira onde o autor usou um termo figurativo guarda chuva como um símbolo visível de proteção em contato com o divino céu , em que as estruturas citadas protegem os fiéis da verdadeira radiação de Deus , usando o templo como um escudo  e não pela forma certa que seria o contato direto com  o plano superior que está em cima de nossas cabeças, isto nos trás a referência de um templo ao céu aberto, portanto a Igreja Invisível existe onde não há estruturas , no menos que seja num templo sem teto como é o caso da organização religiosa fundada por nós e que os cultos são realizados ao ar livre e sem definição de lugar, os cultos são realizados em qualquer lugar que estivermos que não seja coberto.
A segunda questão já foi praticamente respondida acima, em que a relação destas estruturas sem contar a da Igreja Invisível existente na terra, praticando controle sobre seus fiéis levando o rebanho para um lugar coberto. Um bom e sábio exemplo da Igreja Católica é o vaticano, em que o papa fala pela varanda na praça com todos os fiéis ao ar livre e assim também o é quando ele viaja por diversos países sempre pregando ao céu aberto em estádios e estruturas semelhantes que não possuem teto, sempre ao ar livre.
Como podemos observar aqui em São Paulo recentemente todo o teto do templo desmoronou sobre os fiéis matando e ferindo diversas pessoas que estavam orando ou rezando buscando um contato com Deus, acreditamos, que a energia gerada pelas mentes em busca do contato com Deus colaborou com a ruptura da estrutura que cobria suas cabeças. Este fato ocorreu em uma igreja evangélica.
Temos também exemplos extravagantes destas estruturas religiosas modernas, que alguns apelidam de igreja invisível:
L.Ron Hubbard fundador desta religião recente inspirada em ficção científica chamada de cientologia ou dianética como forma de aplicação visando desvendar os códigos modernos para uma melhor saúde mental sendo assim a religião uma forma de ciência substituta para o tratamento médico, principalmente o psiquiátrico: “Algumas das coisas que você irá encontrar podem surpreende-lo, pois os dados mais importantes de sua vida podem não ser memória, mas sim engramas”.[7]
Engramas no entendimento dos dianéticos ou cientólogos é um momento de inconsciência que conte dor física ou emoção dolorosa e todas as percepções, e que não se encontra disponível à mente analítica na qualidade de experiência. O Engrama é a fonte única de aberrações e males psicossomáticos.
Raul Seixas parceiro do escritor Paulo Coelho determinou que o símbolo da sociedade alternativa seria uma cruz chave a mesma também adotada nos ritos da igreja invisível, partindo do princípio bíblico onde a igreja invisível é a cabeça, tronco e membro de Cristo... juntando os símbolos da cruz com o símbolo da chave obtemos as partes do corpo de Cristo formando assim a igreja invisível.
De acordo com o dicionário de símbolos escrito por Herder Lexiton “a chave aparece muitas vezes como um símbolo do difícil acesso aos mistérios ou (também nos costumes e nas canções populares) como um símbolo erótico”[8], já a cruz: “No cristianismo, em razão da cruz em que morreu Cristo, ela recebeu o significado especial de símbolo do sofrimento, mas também do triunfo de Cristo e, de maneira geral, do cristianismo [...]”[9]
Desta forma estabelecendo um diálogo entre a chave e a cruz obtemos um dialogismo intrínseco entre os mistérios ocultos e a religião. Este símbolo também nos remete a cruz ansada egípcia usada em terapias de vidas passadas e em sociedades esotéricas:
“Ansata ou Ankh é uma cruz egípcia, considerada como o símbolo da continuidade da vida, da eternidade, da imortalidade e da vida após a morte [...] No Brasil, o cantor Raul Seixas foi um dos popularizadores do Ankh. O selo da Sociedade Alternativa criada por ele possuía um Ankh com dois degraus na haste inferior, simbolizando a ascensão do mago nos degraus da iniciação rumo à imortalidade”. [10]

PIRES. D.B.M. - (Nome sannyas: Deva Rafik)




[1]  YAHOO Respostas. Qual a diferença entre espírito e alma. São Paulo, 2009. Disponível em<http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20091113155518AATi5mX> Acesso em: 26 dez 2009.
[2]  Ibid.
[3]    palavra grega que significa mente (sendo comum de se encontrar representações de Psiquê com asas de borboleta).O mito de Psiquê é narrado no livro O Asno de Ouro de Apuleio, que a cita como uma bela mortal por quem Eros, o deus do amor, se apaixonou. Tão bela que despertou a fúria de Afrodite, deusa da beleza e do amor, mãe de Eros - pois os homens deixavam de frequentar seus templos para adorar uma simples mortal. A deusa mandou seu filho atingir Psiquê com suas flechas, fazendo-a se apaixonar pelo ser mais monstruoso existente. Mas, ao contrário do esperado, Eros acaba se apaixonando pela moça - acredita-se que tenha sido espetado acidentalmente por uma de suas próprias setas. Com o próprio deus do Amor apaixonado por ela, suas setas não foram lançadas para ninguém. O tempo passava, Psiquê não gostara de ninguém, e nenhum de seus admiradores tornara-se seu pretendente.
[4] WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Psiquê. Washington, 2001. Disponível em <  http://pt.wikipedia.org/wiki/Psiqu%C3%AA>Acesso em: 12 dez. 2009.
[5] SNYDER, Howard A. A Igreja e a Cultura. Rubiataba, Goiás, 1986. Disponível em: < http://www.revistaimpacto.com.br/sistema/imagens/downloads/48b969eee061fc0500173ed4680e62ef.doc> Acesso em: 12 dez. 2009.
[6] Ibid.
[7] HUBBARD, L. Ron. Dianética: A Ciência Moderna da Saúde Mental. Tradução Associação Brasileira de Dianética. São Paulo: Dianética, 2002, p. 11.
[8] LEXIKON, Herder. Dicionário de Símbolos. São Paulo: Editora Cultrix, 1978, p. 55
[9] Idem, p. 71.
[10] TERAPIA de vida passadas. Cruz Ansata (Cruz Egípcia). São Paulo, 2009. Disponível em: < http://hugolapa.wordpress.com/2009/02/26/cruz-ansata-cruz-egipcia/> Acesso em: 12 dez. 2009.

- RETRANSMISSÃO DE ENERGIA (DEEKSHA) - Deva Rafik retransmitindo a conexão com Sri Bhagavan



Invoque a Presença e conecte-se com o Divino. Faça uma prece, peça para que a Presença esteja muito intensamente perceptível para você… Ouça o seu coração. Aguarde a entrada de Deva Rafik retransmitindo a conexão com Sri Bhagavan

1 – Tenha consciência de sua respiração

2 – Traga a sua atenção para o centro de seu coração

3 – Visualize um Ponto Dourado no centro de seu coração

4 – Inspire dentro do Ponto Dourado, exale o ar para fora do Ponto Dourado

5 – Enquanto inspira, visualize o Ponto Dourado expandindo-se, ao expirar visualize o Ponto Dourado irradiando uma Luz Dourada

6 – Visualize a Luz Dourada envolvendo o seu corpo, sempre se expandindo em círculos cada vez mais amplos para cobrir o mundo todo

7 – Agora veja, sinta e experiencie a Luz Dourada

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

IGREJA INVISÍVEL COMO ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 1.1.1 - TESE INVISÍVEL (CONJECTURA DA SAÚDE MENTAL PORVINDOURA)

1.1.1        Igreja invisível como Estrutura Organizacional

           A Igreja Invisível é instituição religiosa sem fins lucrativos com intensa atividade social. Realizou projetos que objetivaram beneficiar portadores de sofrimento psíquico como o Projeto Social de Saúde Mental e Cinema Austregésilo Carrano Bueno. Atualmente está apenas no plano virtual, com transmissões de energia inteligente e em breve proporcionará encontros conscienciais que dar-se-ão no seio da Floresta Amazônica através de meditação coletiva guiada, alem do lançamento do Programa Invisível, previsto para novembro, que contará com o diálogo e a participação do publico por meio do hangout no youtube.com/invisiblechurch.
         A i : i não segue nenhuma orientação dogmática tradicional. Contudo também não nos autodefinimos como Ecumênicos ou Agnósticos.
A igreja invisível (i : i) é idealizadora de projetos sociais e tem por objetivo principal desenvolver personalidades de ação no mundo, aplicar programas de reeducação emocional e mental através de variadas plataformas artísticas e culturais alimentando redes sociais, gerar economias solidárias.
             A igreja invisível é uma organização religiosa com intensa atividade artística que se orienta através de uma concepção filosófica diferenciada. Para a i : i, qualquer doutrina ou crença é cabível e pertinente, e busca que seus membros e parceiros estejam dispostos a crescer social, emocional, mental, filosófica e espiritualmente.
              Nosso método é aplicado por meio de vivências chamadas de experiência invisível, nas quais se unem filosofias, medicina complementar, conhecimentos esotéricos e outras técnicas de desenvolvimento humano, ao trabalho de preparação para o ator capacitando-o a viver outros personagens.
              A i : i acredita que a força interior de cada indivíduo é a grande alavanca das ações realizadas pela sociedade, na qual a moral e os costumes, bem como a visão positiva e/ou negativa da vida se revelam. Seguindo este raciocínio, a Igreja Invisível acredita que cada pessoa detém a sua própria salvação através da expressão e comunicação reparadoras.

            Não possuímos nenhum livro guia como o alcorão ou a bíblia, por exemplo, muito menos um deus único, que possa ser louvado ou ainda regras que precisem ser seguidas. Não tecemos dogmas. Para a i : i o que vale é a nobreza de cada indivíduo em conexão com a diversidade, sempre canalizando para o bem e crescimento da sociedade o seu foco artístico-social.

PIRES. D.B.M. - (Nome sannyas: Deva Rafik)


quinta-feira, 16 de outubro de 2014

EPISTEMOLOGIA DA IGREJA INVISIVEL - 1 E 1.1 - TESE INVISÍVEL (CONJECTURA DA SAÚDE MENTAL PORVINDOURA)

1           Epistemologia da igreja invisível

Muitos são os conceitos levantados sobre a Igreja Invisível, principalmente em relação à espiritualidade, abaixo nos respectivos sub-capítulos comentamos as citações de antigos e modernos escritos, discursos e pensamento referentes à epistemologia da Igreja Invisível para assim embasarmos todos os conceitos levantados nesta tese.

1.1         ESCRITOS

Os escritos comentados neste sub-capítulo demonstram as diferentes visões e interpretações sobre Igreja Invisível, porém, pretendemos apontar as diferenças entre a Igreja Invisível e a Igreja Visível: “É, pois, de necessidade, que se faça uma distinção entre a igreja interior e a exterior, entre a igreja vista pelos olhos infalíveis de Deus e a contemplada pelos olhos falíveis dos homens – entre Igreja invisível e Igreja visível.[1]
Como podemos verificar neste escrito:
“É a Igreja invisível, composta unicamente dos santificados em Jesus Cristo, dos que em todos os países invocam com sinceridade o nome do Senhor, é a ela unicamente que pertencem as gloriosas promessas do Evangelho: as ricas esperanças de seus membros não se firmam nem em Pedro nem em Paulo, mas na Rocha inabalável confessada por Pedro e e anunciada pelo Profeta (Is 28:16) “Cristo o Filho de Deus Vivo”.”[2]

Seguindo o raciocínio deste mesmo autor ou fonte observamos diversas passagens bíblicas, sobre nosso tema abordado a Igreja invisível, que garante muita credibilidade se tratando de uma tese de doutorado em teologia:
“Essa Igreja universal é nas Escrituras representada por várias corporações designativas de sua natureza, e relações com seu único chefe. É comparada a um templo, a uma casa, e neste caso Cristo é a pedra angular (Mt 16:18); Ef 2:20); a um corpo, e Cristo é cabeça (Ef 1:23); a uma esposa, e Cristo é o Esposo (Ap 21:3); a uma videira, e Cristo é o tronco que alimenta os galhos (Jô 15); a um rebanho, e Cristo é o Supremo Pastor. É também chamado o Reino de Deus, que se divide em duas províncias, a Igreja Triunfante no Céu e a Igreja Militante na terra..” [3]

Ganhamos mais fundamento ainda quando relacionamos a Igreja Invisível com o nosso Senhor Jesus Cristo:
“Esse povo, esse reino, essa Igreja, reuniu sempre em si todos os caracteres da verdadeira Igreja. Desde que seus membros são unicamente os convertidos pela palavra da vida e pelo Espírito Santo, “os santificados em Jesus Cristo”, ela não pode deixar de ser uma santa, católica e apostólica. Uma – não na uniformidade monótona, ou no automatismo estéril de uma liturgia pomposa; mas, na unidade maravilhosa de seus credos, na comunhão viva das doutrinas fundamentais do Cristianismo, na fraternidade cristã de seus membros: “santa” – não pelo calendário de nomes próprios canonizados pelo voto falibilíssimo de homens pretensiosos, mas, na santidade de suas doutrinas emanadas diretamente de uma fonte pura – o Livro Sagrado da Revelação Divina, e na pureza de seus membros; “católica”.”[4]

Uma das definições mais comuns entre os católicos de acordo com nossas pesquisas é que “A Igreja é também, chamada de "Corpo Místico de Cristo". Corpo que tem em Jesus sua Cabeça Invisível e, no Papa, a cabeça visível. O Papa é a representação visível de Cristo (não há duas cabeças). O Papa é infalível por haver uma só cabeça – a de Cristo.”[5]. Porém encontramos no dicionário outra definição que faz referência a Igreja Invisível no catolicismo e que justamente vai de encontro às citações anteriores descritas neste mesmo capítulo:
Igreja invisível”
1 Rel. No catolicismo, o conjunto dos fiéis que estão na Igreja padecente e na Igreja triunfante. [Ver Igreja padecente e Igreja triunfante.]”.[6]
Seguindo o mesmo raciocínio notamos na doutrina da Igreja segundo a Eclesiologia os mesmos parâmetros abordados em textos bíblicos:
“E também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Marcos 16.18). “Tu és Pedro” (“petros”, palavra grega designativa de pequenos blocos rochosos, fragmentos de rocha, pedras pequenas, pedras de arremesso). “Sobre esta pedra (“petra”, rocha grande e firme). Logo, a Igreja seria firmada sobre a Rocha. Jesus é a “petra”, a Rocha sobre a qual Sua Igreja está edificada (Daniel 2.34; Efésios 2.20; Atos 4.11; Romanos 9.33; 1 Coríntios 10.4; 1 Pedro 2.4). Se a Igreja é o corpo de Cristo, Pedro não poderia ser o cabeça da Igreja. A cabeça desse corpo é o Senhor Jesus (Efésios 1.22-23; Colossenses 1.18).[7]

Mais profundamente para esclarecer, fundamentar e comprovar positivamente a hipótese da Igreja Invisível adentramos ao código de direito canônico em que há uma clara citação em seus textos sobre o tema aqui estudado sendo o mesmo destacado em negrito para uma maior constatação: “A palavra provém do grego ekklesia (assembléia). A igreja é aqui na terra o corpo místico de Cristo. Nesta acepção, é chamada igreja invisível, a que tem vida interior, espiritual. Cristo é a cabeça desse corpo”[8]. Desta forma conseguimos fundir os sentidos das citações acima com esta definição mencionada.
Diante da submissão à palavra Igreja tanto no sentido espiritual ou organizacional “A Igreja tanto é visível como invisível [...] Diariamente, surgem novas igrejas em todo o mundo. Existe Igreja e igreja,[9], entretanto, a Igreja Invisível permanece nos dois planos e transitando em ambos os sentidos principalmente agora que existe a Igreja Invisível como organização religiosa oficialmente fundada no ano de dois mil e sete depois de Cristo e firmada aqui nesta tese cientificamente e academicamente pela Faculdade de Teologia de São Paulo no curso a distancia de doutorado em Teologia com esta tese invisível.
De acordo com os escritos por mais que sejamos uma organização jurídica composta por pessoas físicas, somos a única em todo mundo intitulada Invisível e que desenvolve a invisibilidade com religião, sendo assim, estamos duplamente classificados como invisível, a primeira descrita abaixo na citação:
“- A primeira é a noiva de CRISTO, santa, sem mancha e nem ruga, irrepreensível (Ef 5.27).
- A segunda formada pelos que falam a respeito de DEUS, dizem conhecer DEUS, mas O negam com suas ações e falta de fé, tanto em DEUS como em sua Palavra, a Bíblia.
Somente a verdadeira Igreja de CRISTO confia e recebe a Bíblia como Palavra legítima de DEUS e a respeita como tal.”[10]

Portanto, a segunda Igreja descrita acima é o modelo típico das outras igrejas que são visíveis:
“A igreja visível consiste de congregações locais, compostas de crentes vencedores e fiéis (Ap 2.11, 17, 26; ver 2.7), bem como de crentes professos, porém falsos (Ap 2.2); “caídos” (Ap 2.5); espiritualmente “mortos” (Ap 3.1); e “mornos” (Ap 3.16; ver Mt 13.24 ; At 12.5). .

Partindo do princípio que “A igreja invisível é o conjunto dos crentes verdadeiros, unidos por sua fé viva em Cristo”[11] e repetido aqui: “A igreja é tanto invisível como visível”, e que “A igreja é um povo possuidor de uma esperança futura. Esta esperança tem por centro a volta de Cristo para buscar o seu povo (ver Jo 14.3; 1Tm 6.14; 2Tm 4.8; Tt 2.13; Hb 9.28).”
De acordo com Mãe Sábado[12] (codinome invisível)[13] que é a líder espiritual, fundadora e atual presidenta da Igreja Invisível, a volta de Cristo tem relação a ativação do reino vegetal explicada a seguir baseada na Agenda Pleidiana.
Um dos materiais de apoio que usamos são canalizações extrasensoriais da autora Norte Americana Bárbara Hand Clow. A Agenda Pleidiana faz parte de uma trilogia que “explora a consciência humana na Terra.” (citação da orelha do livro). O livro traduz uma consciência e percepção diferenciada de Cristo e da missão de Cristo. Este perfil de Cristo condiz com a visão de missionário intergaláctico da Igreja Invisível.


Segundo canalização de Bárbara Hand Clow no capítulo Cristo e a Ativação do Reino Vegetal da Agenda Pleidiana:

 “Cristo transubstanciou o reino vegetal em sangue, e depois, estabeleceu um sacramento para operar através do tempo, com o fim de aumentar a ressonância de Gaia no reino vegetal. O reino vegetal é a expressão verde dos elementos 2d, assim como vocês humanos, são a expressão vermelha desses elementais. Os humanos convertem os elementais em sistemas de comunicação eletromagnéticos: energia kundalini; e as plantas transduzem ou convertem os elementos em um sistema respiratório: oxigênio e dióxido de carbono. Quando vocês se concedem tempo para sentir o poder de uma grande árvore, sentem o planeta respirar e podem comunicar-se com a árvore. As árvores sentem muita necessidade dos humanos e vocês estão perdendo sua capacidade de respirar ao corta-las. As florestas estão lentamente perdendo a memória do Jardim: a mente de Gaia. Contudo, vocês são os guardiões da mente de Gaia, e uma vez que se lembrem disso e sintam essa força pararão de destruir suas bibliotecas biológicas, as florestas de Gaia. Por que vocês acham que os cristãos estavam tão decididos a cortar os bosques sagrados de carvalho dos druidas? Despertem, despertem e digam a seus irmãos e irmãs que eles são os guardiões da mente de Gaia.
(...) quando Cristo transmutou o reino verde das plantas em sangue, eles souberam que isso faria com que os humanos evoluíssem para fora do âmbito de controle deles, pois vocês começaram a sentir Gaia em seu sangue. Então eles criaram um grande programa, que ia do Ponto Zero até 325 d.C. , e gradativamente manipularam vocês, estabelecendo a Igreja Cristã para dominar os diversos movimentos religiosos de Roma, da Grécia, do Levante e do Egito. Em 325d. C. , a Igreja Católica Romana foi estabelecida como a dispensadora oficial da Eucaristia. (...) Muitos de vocês ainda tem um corpo emocional corpo emocional controlado por sistemas de crença religiosos e um corpo físico controlado pela classe médica. (...)
Sei que estas idéias são difíceis para vocês, todavia o nível de violência está obrigando os humanos a cavar mais profundamente. Todos vocês sabem que algo está muito errado. Seus preconceitos e sistemas de crença são inerentemente irracionais e contraditórios, e muitos sistemas religiosos de hoje são autodestrutivos, o que deixa vocês chocados. Na década de 1950, quem teria pensado que muitos coroinhas iriam temer o abuso sexual? Eu incito vocês a respeito da religião com o fim de desperta-los, mas eu sei quão dolorosa para vocês é essa perda de crença.”[14]

Este trecho do livro ainda fala sobre a questão da reprodução imaculada e contesta a versão celibatária de Cristo. Ao contrário, fala sobre a implantação do DNA de Cristo no sangue do planeta. Essa versão de Cristo é a que mais se aproxima da visão que possuímos deste grandioso líder espiritual que uma vez encarnado no Planeta Terra sofreu com a ignorância dos humanos e mesmo assim conseguiu implantar enormes mudanças.
Bárbara coloca que a emasculação do homem é que está matando o planeta, assim como algumas religiões que se tornam cada vez mais populares, que pregam um posicionamento cada vez menos sexual que consideramos como mais uma tentativa de dominação e castração através da pregação da abstinência. Assim como a maior parte dessas pessoas adquire uma aparência sem vida, todos os seus impulsos sexuais são reprimidos e reprimidos também são os pensamentos e atitudes que possam gerar energias sexuais. Assim como um parceiro ciumento que quer bloquear a energia sexual no outro a fim de dominação, a maior parte das religiões expressa não muito claramente que é contrária ao sexo.
Contudo, a energia kundalini (energia que nasce do chakra básico e está intimamente relacionada ao sexo) que muitas vezes é expressa pela figura de uma serpente na coluna é a energia que desperta nossa consciência. Sem ela permanecemos adormecidos e é muito mais fácil nos dominar. Não necessariamente essas religiões castradoras o fazem de maneira consciente, mas há algo no inconsciente que reconhece uma aquisição de poder diante deste posicionamento. A estagnação da energia sexual reprimida gera bloqueios de muitas espécies e couraças que estagnam a fluidez do indivíduo, como Willlian Reich já havia descrito em “A função do orgasmo” e gera distúrbios de toda forma.
Essas mesmas religiões que causam a frustração sexual também lidam mal com a liberação de energias agressivas pregando uma espécie de “bem” que em verdade é apenas ignorância e bloqueio da ação. Os adeptos dessas religiões são tais quais zumbis ou robôs tentando influenciar e punir no outro os reflexos sexuais ou que consideram agressivos – culpando o outro e também entidades do “mal” pelos fracassos ou “fraquezas”. Na verdade pessoas que não liberam gradativamente suas energias tornam-se bombas humanas em potencial podendo explodir a cada momento. São também pessoas imbuídas de um ódio e raiva inexplicáveis dentro de si que retroalimentam seus pensamentos cíclicos.
Oswaldo Shimoda também coloca que “Em verdade, uma vida sexual saudável pode proporcionar ao ser humano a alegria de viver e o entusiasmo pela vida. Pelo contrário, reprimir o fluxo da energia sexual pode acarretar inúmeros desvios e distúrbios em sua vida. Freud, o pai da psicanálise, estudou e chamou de libido essa energia sexual. Em seus estudos, descobriu que a repressão da libido provocava várias doenças em seus pacientes. Seu discípulo, William Reich, dizia também que a saúde do ser humano dependia de sua sexualidade. Freud definiu saúde mental como sexualidade e sociabilidade naturais, espontânea satisfação pelo trabalho e capacidade de amar.
“Apesar de termos, hoje, laboratórios para estudar e entender o funcionamento sexual humano, ainda assim vivemos numa sociedade que mal entende sua sexualidade, e que sofre de vários distúrbios sexuais.” [15]

A energia sexual ou até poderíamos dizer que a própria energia vital é gerada no impulso sexual. Conforme os impulsos sexuais começam a ser constantemente reprimidos – seja pela religião que quer ter o controle desta poderosa energia, seja pelo pai que ao vetar que seja liberada e dirigida a outras pessoas a energia sensual da criança, acaba retendo ela para si, seja pelo parceiro como forma de dominação e manipulação mas como um “roubo energético e um vampirismo” do que por receio da traição. A repressão do impulso sexual desvia a energia para o repressor.
Do mesmo modo, uma mãe por odiar as outras mulheres com quem não pode competir – talvez por ela mesma ser reprimida - vai cortar o amor que despende ao filho(a) se ele amar e for carinhoso com uma pessoa que não seja ela ou alguém escolhido(a) por ela. Esse bloqueio da cessão de energia que era emanada ou gerada e oferecida ao outro é como um corte abrupto que gera resistência no outro para que ele prossiga no que estava fazendo: ou seja, um aviso para que ele pare de agir de maneira que desagrade o vampirizador.
A energia sexual ou a energia vital são desviáveis pelos vampiros a fim de obtenção de poder. Sejam eles líderes de instituições religiosas ou parentes e amigos, a energia sensual na Terra geralmente é cobiçada e desejada pelos vampiros energéticos. Algumas pessoas são tão vampirescas que não podemos viver ao lado delas: pois não podemos gerar energia vital senão for para ela... Tudo vai para ela. Esta pessoa está atrás da energia vital dos outros pois reprime a sua própria.
A energia que é reprimida quando expressa acaba sendo contida em sua expressão (gerando as couraças) – ela é percebida pelo organismo e desviada para não chegar ao ponto ao qual se dirigia. A energia sexual possui vários fins inclusive embelezar e rejuvenescer. Se a energia rejuvenescedora é reprimida numa mulher por outras mulheres ela será desviada para estas mulheres. Algumas pessoas mesmo inconscientemente não permitem que as outras se sintam sensuais ao lado dela. Principalmente se ela não se sente assim. As pessoas na Terra estão acostumadas a considerar livre uma pessoa sensual - que ousa ser sensual mesmo que não em gestos ou posturas, mas na geração da energia kundalini. Essas pessoas podem sentir-se ameaçadas – ter seu trono ameaçado – se outra pessoa se sente tão a vontade ao lado dela a ponto de liberar energia kundalini que vão, geralmente, bombardeá-la a fim de que ela pare. Com o tempo de convivência haverá uma prevenção sensual. A pessoa se precaverá dos pensamentos – ações – o que quer que seja que nela gere a energia sexual a fim que não seja preciso ela se reprimir. Não haverá mais a geração da energia. Desta maneira a energia ao invés de ser desviada para o repressor é contida em sua fase pré-existente. Assim muitas energias são bloqueadas
Muitos atores são reprimidos, pois gerariam tal energia. Geralmente atitudes saudáveis e positivas geram energia vital e energia sensual. Uma boa alimentação, uma conversa agradável, um sorriso, palavras... geram energia sensual pois são fontes de prazer. Aquele que exige do outro recalque como forma de comprometimento não suporta e reprime estas atitudes:
(...) Cristo manifestou-se no ponto zero da história para levar a humanidade a evoluir para a empatia: a mais alta vibração da era de peixes. A empatia abre os humanos para o acesso espiritual e Cristo veio como modelo do humano 9D, que é o que vocês irão se tornar durante a era de aquários. Ele veio de uma profunda linhagem planetária e trouxe o instrumento da criatividade máxima, que pode transmutar a violência humana: a eucaristia. Ele transmitiu sua linhagem através da Deusa: Madalena. Casou-se com a sacerdotisa de Isís do templo central da Deusa em Jerusalém e, por intermédio de Isís, religou o falo de Osíris e devolveu o membro ao homem.”[16]

Cristo está no sangue de todos nós. Ele plantou seus códigos estelares em Madalena e seu DNA esta vivo no corpo dos humanos. Ele não retornará à Terra. Sua essência será transubstanciada na seiva das árvores e está viva em todos os reinos. É uma linhagem evoluída e como todo ser evoluído não foi reconhecido como tal. Mas não acreditamos num retorno de Cristo muito mais para julgar vivos e mortos.
Se tratando do apocalipse e do apelo midiático posicionamo-nos também de maneira distinta em relação ao apocalipse. Enquanto as religiões comuns pregam uma sucessão de desastres que culminariam na extinção do planeta e dos humanos, acreditamos que as mudanças do porvir serão benéficas a longo prazo:
“Muitas Instituições e professores da Terra estão tentando convence-los de que devem temer o que está para vir, entretanto o que está para vir é apenas a remoção do controle”.[17]
Acreditamos o Armagedon como uma situação de transmutação cósmica e renovação vibratória e emocional – que acontecerá não em um único dia, mas a médio prazo conforme as mentes humanas puderem suportar a evolução e conseqüente mudança de comportamento. Assim como Krishnamurti relata que a experiência exterior de guerra é experimentada porque o homem está vivenciando a guerra em seu interior, também através do recurso da canalização Bárbara Hand Clow, aquele que na Terra é conhecido como Lúcifer se manifesta abordando esta mesma questão:
 “Sou o ser perfeito para ajuda-los a dissecar a fonte de sua violência interior que cria seu mundo exterior. (...) Quando se irritarem com o companheiro ou companheira, imaginem que cada aborrecimento é, na verdade, algo que não gostam em si mesmos. Relacionamentos são acordos entre as partes para compartilhar realidades mútuas, de modo a obter ‘feedback’ sobre a verdadeira natureza da experiência. Quando entram em uma sociedade com alguém e se permitem sair da sincronicidade estão abandonando a outra pessoa. Se fizerem joguinhos emocionais e fiscos e permitirem que a separação e a tensão continuem estão pedindo que um de vocês ou ambos sejam roubados emocionalmente. Energias estranhas são atraídas para um aposento ode as pessoas estão tensas e zangadas. A chave é esforçar-se para permanecer juntos na sincronia, porque, então, a vibração da separatividade não poderá apanha-los. (...)
Existem vibrações anunákis por toda parte esperando para incentiva-los a desperdiçar todo seu tempo zangados e frustrados, de modo que eles possam leva-los aos joguinhos habituais de relacionamentos, os quais abrem espaço para eles entrarem em suas mentes e partir seus corações. É melhor dependerem de seus pais até a idade adulta; depois, sejam dependentes de seus parceiros ate se sentirem emocionalmente seguros; e, finalmente, terão um relacionamento com alguém que seja seu espelho perfeito, quando irão amadurecer e tornar-se totalmente únicos.(...) Caso levem uma vida simples, não prestem atenção à mídia que tenta tirar sua energia, fisgando-os com histórias de pessoas famosas.” [18]

Outro ponto que comungamos da opinião de Bárbara Hand Clow é em relação à influência da mídia como forma de manipulação. Alguns grupos acreditam que exista uma espécie de controle exercido através da reunião de um conselho com a finalidade de conduzir a mentalidade humana através do menticídio. A despeito desta organização de condutores do mundo existir ou não, o mentícidio acontece. Através da promulgação do medo cria-se e desenvolve-se um padrão mental gerado nas ondas do temor: o terror. Aterrorizados com a situação de caos estabelecida, os humanos sentem-se dependentes da boa vontade dos governos e das instituições para protege-los e alerta-los contra o “mal”. A divulgação do mal, dos perigos, até mesmo referentes a uma possível catástrofe mundial estabiliza a mente humana num canal de temor e frustração – incapacidade – que torna o ser humano passivo e apático: impotente. Este estado de espírito é conveniente aos governantes e lideres religiosos pois uma mente que se sente culpada e incapaz está carente de direção e apta para receber e aceitar informação e sugestão de necessidades e direcionamento comportamental.
“Como saber que vocês estão sendo manipulados por estas forças¿ É fácil. Sempre que se sentirem muito mal a respeito de alguma coisa na mídia desliguem o aparelho ou saiam do cinema. Enquanto vocês estiverem dispostos a pagar para serem manipulados, haverá um número grande de artistas prontos a servi-los alegremente.” (Agenda Peiadiana)

É importante lembrar que recentemente apelidaram a cientologia aqui no Brasil com o conceito de igreja invisível como se refere ao título desta reportagem da revista época: “Crença dos Famosos:” A Igreja Invisível. Abaixo descrevemos um pouco do seu conceito através de citações desta própria reportagem acima mencionada:
Fundada em 1954 por Lafayette Ronald Hubbard (1911-1986), um escritor de livros de ficção científica, a cientologia mistura elementos de várias religiões, como hinduísmo, budismo e cristianismo. Os fiéis acreditam que a vida na Terra começou com uma deportação interplanetária em massa.
De acordo com os cientologistas, há 75 milhões de anos o maligno Lorde Xenu comandava 75 planetas superpovoados em galáxias próximas da Terra. Para resolver o problema, ele mandou 13,5 trilhões desses ETs para cá e os atirou sobre vulcões. Lá, eles se transformaram em espíritos chamados thetans, que hoje habitam os corpos dos seres humanos. Mais de 10 milhões de pessoas, espalhadas por 159 países, acreditam nessa história, segundo os representantes da igreja. A cientologia tem mais de 6 mil templos, sedes e missões espalhados pelo mundo, instalados em imóveis avaliados em alguns bilhões de dólares. A cientologia tem 10 milhões de fiéis, segundo seus líderes. No Brasil, são cerca de 15 mil seguidores [...] Atualmente, os seguidores reúnem estrelas e personalidades como os atores John Travolta, Anne Archer, Mimi Rogers e Kelly Preston, os músicos Chick Corea e Isaac Hayes, além de Paul Haggis, diretor de Crash - No Limite, vencedor do Oscar de melhor filme neste ano. Mesmo alvo de polêmicas e críticas, muitas fomentadas por ex-devotos, a Igreja da Cientologia é reconhecida por estudiosos como um dos mais importantes movimentos religiosos do século passado. Mas o caráter semi-secreto de seus cultos e práticas, aliado à pouca habilidade no trato com a mídia, acabou prejudicando a imagem da igreja[19]



                                          PIRES. D.B.M. - (Nome sannyas: Deva Rafik)


[1]  WIKISOURCE, A Igreja. Washington, 2001. Disponível em <http://pt.wikisource.org/wiki/A_Igreja> Acesso em 26 dez 2009.
[2] Ibid.
[3] Ibid.
[4] Ibid.
[5]  CATEQUESE Católica Vinde Espírito Santo. A Igreja - Corpo Místico de Cristo.  São Paulo, 2002. Disponível em <http://www.catequisar.com.br/texto/materia/dout/lv01/28.htm> Acesso em 26 dez 2009.
[6]  IDICIONÁRO Aulete. Igreja. São Paulo, 2006. Disponível em
[7] ECLESIOLOGIA - Doutrina Da Igreja. Qual O Significado De Igreja? São Paulo, 2007. Disponível em <http://www.renovado.transvidia.com.br/eclesiologia.htm> Acesso em 26 dez 2009.
[8]  SHVOONG. Resumos e revisões curtas. Código de Direito Canônico. São Paulo, 2005. Disponível em <http://pt.shvoong.com/law-and-politics/1672328-c%C3%B3digo-direito-can%C3%B4nico/> Acesso em 26 dez 2009.
[9] EDB Web, Escola Dominical na Web. A Igreja, Serva da Bíblia - Ev. Luiz Henrique. São Paulo, 2003. Disponível em <http://www.ebdweb.com.br/2008/12/17/a-igreja-serva-da-biblia-ev-luiz-henrique/> Acesso em 26 dez 2009.
[10]  Ibid.
[11]  Ibid.
[12]  Confrade Valéria Nantes Calado – Presidenta e Fundadora da Igreja Invisível
[13]  Codinome Invisível é o nome espiritual concedido durante o batismo invisível ao Confrade que converte-se a Invisibilidade e Confrade é aquele que participa das Confrarias Invisíveis da Igreja Invisível.
[14]  CLOW, Barabara Hand. A Agenda Pleidiana, Conhecimento Cósmico para a Era da Luz. TraduçãoMadras Editora Ltda. São Paulo: Madras Editora Ltda, 2001, p.
[15] Ibid.
[16] Ibid.
[17] Ibid.
[18] Lúcifer em Agenda Pleiadiana
[19] AMORIN, Ricardo. Crença dos Famosos: “A Igreja Invisível”. São Paulo, 2006. Disponível em: <http://unadonna04br.multiply.com/market/item/214/214> Acesso em: 12 dez. 2009.